Thyago Santos - Mente, Saúde e Corpo em Forma

eu amo tênis

eu amo tênis

Que esporte maravilhoso.

Comecei a enxergar o tênis com outros olhos nos últimos dois três anos.

Hoje, assistindo uma partida entre Djokovic e Zverev pelo Australian open reforcei mais uma vez que esse esporte busca força do estado mental, como também o estado físico do atleta.

O mental do jogador, para mim, é bastante exigido, apesar que partidas podem durar três, quatro, e até mais que cinco horas, então o trabalho físico também tem que caminhar junto, ou se não, já era.

Eu já tive o prazer de conhecer de perto esse esporte, praticando-o, e para ser sincero, superou minhas expectativas.

Parei, novamente, por motivos pessoais e profissionais, mas retornarei, para sentir aquele desgaste positivo da mente e do corpo.

Djokovic não é o melhor na minha opinião, para mim, o melhor da história é Roger Federer, mas sou curioso na forma que Djoko joga seu tênis. É uma mistura de calmaria com tensão que a qualquer momento ele pode explodir, sério, hoje, por exemplo, ele quebrou uma raquete socando-a com leves pancadas sobre solo sagrado da Rod Laver Arena.

O poder mental do Djoko é incrível, além da capacidade técnica de jogo também.

O tênis é um esporte amável na minha opinião, e com um rico aprendizado de como um humano pode jogar três, quatro, até cinco horas. O atleta compete contra ele mesmo maior parte do tempo da partida(no estilo da competição de forma individualizada, um contra contra um, que é mais atrativo para mim). A força mental e física são absurdas jogando em altíssimo nível.

Que prazer tenho em ter conhecido esse esporte de perto, porque às vezes penso que é sobre-humano o que um atleta de alto nível faz em competição nesse esporte.

Fale Conosco